54 mil postos de trabalho perdidos devido à automatização

automatizacao

A Confederação Empresarial de Portugal garante que cerca de 54 mil postos de trabalho no sul do país vão ser perdidos, devido à automatização. A restauração e o alojamento serão os setores mais afetados.

São dados de um estudo da Confederação Empresarial de Portugal (CIP). A região sul de Portugal vai perder 54 mil postos de trabalho devido à automatização, durante a próxima década. Esta situação cria a necessidade de requalificar 27 mil trabalhadores.

O mesmo estudo refere também que, durante o mesmo período, entre 2020 e 2030, surgirão também 30 mil novos postos de trabalho, na mesma região.

Automatização: hotelaria e restauração são os setores mais afetados

O estudo da CIP é apresentado esta sexta-feira, em Loulé, no Algarve. A mudança líquida estimada de postos de trabalhos no setor de alojamento e restauração será negativa. Ronda os 8000 postos de trabalhos.

Este é o setor mais afetado de todos pela automatização de funções. Contudo, o setor da saúde humana e apoio social vai ter o impacto mais positivo, com mais de 2000 novos empregos. O estudo salienta também o elevado retorno do investimento na requalificação dos trabalhadores.

A análise regional resultou de um protocolo de colaboração entre a CIP e a NOVA School of Business and Economics. É um trabalho realizado na sequência de um estudo nacional divulgado pela CIP em janeiro, sobre o impacto da automação no futuro do trabalho.

A nível nacional, a automatização pode levar à perda de mais de 1 milhão de empregos até 2030. Contudo, está prevista a criação de outros tantos na saúde, assistência social, ciência, profissões técnicas e construção.

 

Outras notícias

Júlia Rocha

Gestora e criadora de conteúdos para marcas, com paixão por grandes histórias. Nunca sai de casa sem papel e caneta, e adora longas viagens.

Este artigo foi útil? Partilha com os teus amigos