Michelle Obama

michelle obama

Advogada, escritora e ex-primeira-dama dos Estados Unidos da América. Estes são apenas algumas das funções associadas a Michelle Obama, uma mulher com um papel pioneiro na sociedade norte-americana e no mundo.

A história de Michelle LaVaughn Robinson Obama é muito mais do que o estereotipado relato de luta contra as circunstâncias. A própria referiu na sua recente autobiografia, “Becoming”, o privilégio que marcou determinados aspetos da sua vida, enquanto criança e jovem afro-americana na zona de South Side, em Chicago nos EUA.

Os pais de Michelle, nascida a 17 de Janeiro de 1964, destacaram desde cedo, a importância da educação. A família de Michelle Obama é um retrato fiel da complexa história multirracial dos EUA. Uma família convencional para os anos 60, em que a música, a literatura e a igreja tinham também papéis fundamentais.

A infância de Obama ficou marcada pelas mudanças que começavam a ocorrer na sociedade norte-americana. A luta pelos direitos civis dos negros, o papel das meninas e mulheres, assim como também a esclerose múltipla de que o seu pai sofria e os sacrifícios que todos na família faziam para que ela e o irmão pudessem frequentar uma das melhores escolas da cidade.

As 5 melhores autobiografias de carreira (e não só) para ler agora

Michelle Obama: sucesso académico e profissional

Depois de um ensino secundário brilhante, Michelle entrou na prestigiada Universidade de Princeton. Licenciou em Estudos Afro-Americanos e Sociologia. Na sua autobiografia, relembra como alguns professores do secundário a avisaram para não ambicionar demasiado, resignando-se à sua condição de mulher e afro-americana.

Por estas e outras razões, Michelle sentiu-se determinada a provar o seu valor. Apesar de ter sido um período desafiante, em que as diferenças raciais se tornavam visíveis, o lado humanitário de Michelle desenvolveu-se. Começou a colaborar com um centro de apoio cultural e académico a minorias.

No final dos anos 80, entrou em Direito, na Universidade de Harvard, onde, segundo as suas próprias palavras, concluiu que podia e devia ser “both brilliant and black”. Algo que contrariava as expectativas que lhe tinham sido atribuídas durante a vida. Uma dicotomia entre as suas origens e o facto de ter tido uma vida académica privilegiada, tão diferente da realidade da maioria dos seus pares.

Ao tornar-se advogada e jurista, Michelle Obama tornou-se na primeira Primeira-Dama norte-americana com um doutoramento e especialização. Ela própria admitiu que a educação a que teve acesso lhe deu oportunidades incríveis, algo que sempre se propôs perpetuar para todas as crianças e jovens.

A vida política

Michelle era já uma profissional bem-sucedida, numa firma de advogados em Chicago, quando conheceu Barack Obama. O jovem advogador começou por ser estagiário na mesma empresa. A relação dos dois acabaria para evoluir, para uma parceria que hoje admiramos profundamente.

Durante as primeiras campanhas políticas de Barack Obama, Michelle continuou a carreira como advogada, especializada em direito corporativo. Em 1993, tornou-se diretora executiva de uma ONG americana ligada a questões sociais. Em 1996, fazia parte da administração da Universidade de Chicago.

É importante notar que, durante este período, nasceram as duas filhas do casal Obama: Malia e Sasha. Conciliar o papel de mãe, esposa e profissional, é ainda hoje uma das bandeiras da antiga primeira-dama. Só deixou de trabalhar nas funções que tinha na altura, quando da primeira eleição de Obama, em 2008.

Enquanto primeira-dama, Michelle Obama foi uma exímia defensora dos direitos das mulheres e das minorias, em especial da comunidade LGBTQ+, dedicando-lhes várias ações e campanhas.

Fica para a história a iniciativa “Let’s Move”, uma campanha de saúde pública, criada por Michelle, para combater a obesidade infantil nos EUA, e promover hábitos de alimentação saudável e prática de exercício físico. A campanha envolve escolas e comunidades, com o objetivo de reduzir a obesidade infantil em 5%, até 2030.

Tudo o que Michelle Obama fez antes, durante e após o seu tempo na Casa Branca, continuam a ter repercussões extremamente positivas e louváveis. Um exemplo, não só para outras mulheres, como também para a sociedade global.

Artigos sugeridos

Júlia Rocha

Gestora e criadora de conteúdos para marcas, com paixão por grandes histórias. Nunca sai de casa sem papel e caneta, e adora longas viagens.

Este artigo foi útil? Partilha com os teus amigos